SÓ DEUS PODE DAR AMOR, MAS TU PODES ENSINAR A AMAR... SÓ DEUS É O CAMINHO, MAS TU PODES INDICÁ-LO AOS OUTROS... SÓ DEUS É A LUZ, MAS TU PODES FAZÊ-LA BRILHAR... SÓ DEUS SE BASTA A SI MESMO, MAS QUER PRECISAR DE TI E CONTAR CONTIGO...

Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011
NUMA LINDA MANHÃ...

 

Um dia numa linda manhã cheguei a um local fantástico. Tudo aquilo que via era diferente do que já conhecia. As "pessoas", não sei se as posso chamar assim, eram muito estranhas e engraçadas, algumas até de várias cores. Viviam numas "casas" sem porta e as janelas abriam para baixo e para o lado. Os telhados eram redondos com muitas coisas que pareciam pedras e relva. As árvores cresciam nas paredes e davam bons frutos e saborosos. Havia sempre luz de três sóis coloridos.

As ruas eram todas inclinadas e ao andar parecia que os pés não tocavam o chão de tão leve que parecia.

As pessoas falavam mas não era nada conhecido, parecia água a correr entre pedras soltas. No meio de tanta novidade e diversidade qualquer um passava despercebido, mas ainda eu não me tinha apercebido de tudo, quando ao longe alguém que parecia uma criança sorrindo-me acenou. Aproximámo-nos e ele cumprimentou-me como se já me conhecesse e não me visse há muito tempo. Fez-me sinal para seguir com ele e lá fui.

Vi muita coisa bonita e aprendi bastante, embora ele soubesse que eu não percebia a língua, conseguiu explicar de diversos modos, e de forma tão clara que eu entendia.

Ele conhecia todos os que encontrávamos e parecia gostar de todos do mesmo modo. Chegámos a um local onde havia muitos que o não conheciam pois ou afastavam-se ou gritavam-lhe de longe com medo, ou então ficavam parados a ouvir. Não sei o que lhes dizia mas o som que fazia era muito bonito e encantador até parecia que tinha vida e tocava como chuva miudinha. Havia uns que se aproximavam e deixavam-se tocar, mas outros ignoravam-no.

Isto acontecia muitas vezes, quase sempre que passávamos de uma povoação para outra.

Um dia, depois de caminharmos bastante, chegámos a um local onde as pessoas conversavam na rua, cumprimentámo-las mas nem nos ligaram. Fazia muito calor e ali ao lado havia uma espécie de lugar onde havia entre outras, bebidas. Até sabia bem,..., mas assim que ele ia entrar, essas mesmas pessoas começaram a falar de um modo que me apercebi de que aquele sítio deveria ser muito perigoso... ele entrou, e eu fiquei um pouco na dúvida, mas, pensando melhor, entrei também; afinal onde ele puder entrar eu também posso!

Havia muita confusão, barulho, e umas coisas estranhas a andarem no meio do chão. Acho que fui bem acolhido, vieram-me buscar, davam-me umas coisas para por nas costas das mãos, e falavam muito alto, cumprimentavam-me e trocavam entre eles comentários. Depois andavam aos encontrões e eu lá no meio de um lado para o outro, também com um pouco de medo daquelas coisas que andavam lá pelo chão. Tentava perceber o que estava acontecer, já sem saber o que fazer propriamente, quando uma mão conhecida me tirou dali, e ao mesmo tempo aquilo que me tinham colocado nas costas das mãos saltou e fugiu pelo chão... apanhei um susto!

À sua volta estavam muitos que o ouviam atentamente e faziam perguntas. Foi bom ver pessoas interessadas e apesar da confusão que reinava por todo o lado. Melhor ainda foi ver os rostos mudarem de expressão e ficarem bonitos tal como os frutos ao amadurecerem.

Grandes transformações se deram. Nos dias que ali ficámos. Os que foram tocados viviam com alegria e iam ter com outros que ainda estavam verdes e sem coragem para mudarem.

Gostei muito deste local, e lembro-o como aquele em que sedentos acabámos por saciar uma sede nunca vista.

Continuámos e por onde passávamos tudo ficava um pouco diferente e eu também me sentia mais pessoa. É interessante, como sem perceber, ia-me mudando, transformando-me devagarinho neste meu amigo. Ainda não consigo falar, mas há uma coisa que já sei; o seu nome: JESUS 



publicado por saozinhasimoes às 15:29
link do post | comentar | favorito

Domingo, 20 de Fevereiro de 2011
«Amai os vossos inimigos»

 

7º Domingo do Tempo Comum – Ano A

 

«Amai os vossos inimigos»

 

Evangelho segundo S. Mateus 5,38-48.

 

«Ouvistes o que foi dito: Olho por olho e dente por dente. Eu, porém, digo-vos: Não oponhais resistência ao mau. Mas, se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a outra. Se alguém quiser litigar contigo para te tirar a túnica, dá-lhe também a capa. E se alguém te obrigar a acompanhá-lo durante uma milha, caminha com ele duas. Dá-a quem te pede e não voltes as costas a quem te pedir emprestado.» «Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. Fazendo assim, tornar-vos-eis filhos do vosso Pai que está no Céu, pois Ele faz com que o Sol se levante sobre os bons e os maus e faz cair a chuva sobre os justos e os pecadores. Porque, se amais os que vos amam, que recompensa haveis de ter? Não fazem já isso os cobradores de impostos? E, se saudais somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não o fazem também os pagãos? Portanto, sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai celeste.»

 

Da Bíblia Sagrada

 

Comentário ao Evangelho «Amai os vossos inimigos»

 

Não há nada que nos encoraje mais a amar os nossos inimigos, naquilo que consiste a perfeição do amor fraterno, do que a consideração e a gratidão pela admirável paciência do «mais belo dos filhos dos homens» (Sl 45 (44), 3): Ele ofereceu a Sua bela face aos ímpios para que a cobrissem de escarros; permitiu-lhes vendarem-Lhe aqueles olhos que, de um só relance, governam o Universo; expôs as Suas costas ao chicote, submeteu aos picos dos espinhos a Sua fronte, diante da qual deviam tremer príncipes e poderosos; entregou-Se às afrontas e às injúrias e, por fim, suportou com mansidão a cruz, os cravos, a lança, o fel, o vinagre, mantendo, no meio disso tudo, toda a doçura e serenidade: «Como um cordeiro levado ao matadouro, ou como uma ovelha emudecida nas mãos do tosquiador, não abriu a boca» (Is 53,7).

 

Ao ouvir as admiráveis palavras «Pai, perdoa-lhes» (Lc 23, 34), cheias de doçura, de amor e de imperturbável serenidade, o que poderíamos nós acrescentar à bondade e à caridade dessa oração?

 

E, no entanto, o Senhor acrescentou algo. Não Se contentou em rezar; quis desculpar: «Pai ─ diz Ele ─ perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem»; são, sem dúvida, grandes pecadores, mas não têm disso consciência; por isso, Pai, perdoa-lhes; crucificam, mas não sabem a Quem crucificam. Pensam tratar-se dum transgressor da Lei, dum usurpador da Divindade, dum sedutor do Povo; escondi-lhes o Meu rosto; não reconheceram a Minha majestade; por isso, «Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem».

 

 

Se quiser aprender a amar, que o homem não se deixe arrastar pelos impulsos da sua carne, mas dirija todo o seu afecto para a dulcíssima paciência da carne do Senhor; se quiser encontrar descanso mais perfeito e mais feliz nas delícias da caridade fraterna, que aperte também os inimigos nos braços do verdadeiro amor; e, para que este fogo divino não diminua por causa das injúrias, que tenha sempre os olhos do espírito na serena paciência do seu Senhor e bem amado Salvador.



publicado por saozinhasimoes às 12:58
link do post | comentar | favorito

Domingo, 12 de Dezembro de 2010
3º Domingo do Advento – Ano A

 

Evangelho segundo S. Mateus 11,2-11.

 

Ora João, que estava no cárcere, tendo ouvido falar das obras de Cristo, enviou-lhe os seus discípulos com esta pergunta: «És Tu aquele que há-de vir, ou devemos esperar outro?» Jesus respondeu-lhes: «Ide contar a João o que vedes e ouvis: Os cegos vêem e os coxos andam, os leprosos ficam limpos e os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e a Boa-Nova é anunciada aos pobres. E bem-aventurado aquele que não encontra em mim ocasião de escândalo.» Depois de eles terem partido, Jesus começou a falar às multidões a respeito de João: «Que fostes ver ao deserto? Uma cana agitada pelo vento? Então que fostes ver? Um homem vestido de roupas luxuosas? Mas aqueles que usam roupas luxuosas encontram-se nos palácios dos reis. Que fostes, então, ver? Um profeta? Sim, Eu vo-lo digo, e mais que um profeta. É aquele de quem está escrito: Eis que envio o meu mensageiro diante de ti, para te preparar o caminho. Em verdade vos digo: Entre os nascidos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista; e, no entanto, o mais pequeno no Reino do Céu é maior do que ele.

 

Da Bíblia Sagrada

 

Comentário ao Evangelho

 

«Entre os nascidos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista; e, no entanto, o mais pequeno no Reino do Céu é maior do que ele.»

 

Veneremos a compaixão de um Deus que veio salvar e não julgar o mundo. João, o precursor do Mestre, que até então desconhecia este mistério, logo que percebeu que Jesus era verdadeiramente o Senhor, clamou àqueles que tinham vindo pedir o baptismo: «Raça de víboras» (Mt 3, 6), porque me olhais com tanta insistência? Eu não sou o Cristo. Sou um servo e não o Mestre. Sou um simples súbdito, não sou o rei. Sou uma ovelha, não o pastor. Sou um homem, não um Deus. Curei a esterilidade da minha mãe vindo ao mundo, mas não tornei fecunda a sua virgindade; fui tirado de baixo, não desci das alturas. Emudeci a língua do meu pai (Lc 1, 20), não manifestei a graça divina. Sou miserável e pequeno, mas depois de mim virá Aquele que é antes de mim (Jo 1, 30). Ele vem depois, no tempo; mas anteriormente estava na luz inacessível e inefável da divindade. «Aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu e não sou digno de Lhe descalçar as sandálias. Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo e no fogo» (Mt 3, 11). Eu estou subordinado; Ele é livre. Eu estou sujeito ao pecado, Ele destrói o pecado. Eu ensino a Lei, Ele traz-nos a luz da graça. Eu prego como escravo, Ele legisla como mestre. Eu tenho por leito o chão, Ele os Céus. Eu dou-vos o baptismo do arrependimento, Ele dá a graça da adopção. «Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo e no fogo». Porque me venerais? Eu não sou o Cristo.



publicado por saozinhasimoes às 15:22
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010
O PROFESSOR ATEU

Um dia, na sala de aula, o professor estava explicando a teoria da evolução aos alunos. Ele perguntou a um dos estudantes:

- Tomás, vês a árvore lá fora?

- Sim, respondeu o menino

O Professor voltou a perguntar:

- Vês a erva?

E o menino respondeu prontamente:

- Sim.

Então o professor mandou Tomás sair da sala e lhe disse para olhar para o céu. Tomás entrou e disse:

- Sim, professor, eu vi o céu

- Viste Deus? Perguntou o professor.

O menino respondeu que não. O professor, olhando para os demais alunos disse:

- É disso que eu estou falando! Tomás não pode ver Deus, porque Deus não está ali ! Podemos concluir então que Deus não existe.

Nesse momento Pedrinho se levantou e pediu permissão ao professor para fazer mais algumas perguntas a Tomás.

- Tomás, vês a erva lá fora?

- Sim.

- Vês as árvores?

- Sim.

- Vês o céu?

- Sim.

- Vês o professor?

- Sim.

- Vês o cérebro dele?

- Não? -  disse Tomás.

Pedrinho então, dirigindo-se aos seus companheiros, disse:

- Colegas, de acordo com o que aprendemos hoje, concluímos que o professor não tem cérebro.

 



publicado por saozinhasimoes às 22:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 22 de Agosto de 2010
É TEMPO DE AGIR

 

 

 Minha Irmã, meu Irmão; temos uma missão e Cristo espera que cumpramos o Seu mandamento de seguir em frente, levar o Evangelho a toda criatura; se já desististe de tudo, volta depressa! Cristo chama-te, não o desapontes.    

 

 

 Pelo teu testemunho pessoas já se converteram ao Senhor, outros já olharam com outros olhos para as coisas de Deus, essa também é uma maneira de ser pescador de homens.  O  nosso tempo de agir é agora, o ontem é passado e damos glória a Deus pelo que fizemos, o amanhã é incerto, então temos o hoje; vive realmente o teu tempo.       

 

 

No início da nossa caminhada evangelizamos como ninguém, mesmo sem ter pleno conhecimento do que estávamos fazendo; era por inspiração, com amor, ardor e muita garra.    Hoje Deus chama de volta os Seus filhos que estão estagnados, outros afastaram-se.      Conhecemos muitos que pegavam em redes connosco e arrastávamos muitos peixes, eram pessoas de oração, de testemunho e hoje estão afastados.       O Senhor Jesus chama-os de volta e nós devemos fazer a nossa parte, estendendo-lhes a mão, encorajando-os a voltarem; muitos  estão esperando apenas esse pequeno sinal para voltarem.

 

  

Por mil motivos, muitos deles voltaram para o lamaçal da vida, mas estão marcados!    São do Senhor.   São apóstolos.   São pescadores de homens. É preciso buscá-los, repescá-los sem medo.     A seara é grande, por isso será necessário reunir uma grande equipa. Teremos que reunir os operários antigos e os veteranos com os novatos e inexperientes,  partir juntos, porque é necessário pescar almas em quantidade!

 

  

  São novos tempos.     O Senhor convoca a todos.    É preciso reunir os operários da primeira hora.    O desafio é imenso. O próprio Senhor convoca os apóstolos de um novo tempo.      Deus nos convida a ser homens e mulheres conduzidos pelo Seu Espírito Santo.   



publicado por saozinhasimoes às 15:40
link do post | comentar | favorito

Ter Lugar No Banquete Do Reino de Deus

Evangelho segundo S. Lucas 13,22-30.

 

Jesus percorria cidades e aldeias, ensinando e caminhando para Jerusalém. Disse-lhe alguém: «Senhor, são poucos os que se salvam?» Ele respondeu-lhes: «Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, porque Eu vos digo que muitos tentarão entrar sem o conseguir. Uma vez que o dono da casa se levante e feche a porta, ficareis fora e batereis, dizendo: 'Abre-nos, Senhor! Mas ele há-de responder-vos: 'Não sei de onde sois. Começareis, então, a dizer: 'Comemos e bebemos contigo e Tu ensinaste nas nossas praças. Responder-vos-á: ‘Repito vos que não sei de onde sois. Apartai-vos de mim, todos os que praticais a iniquidade. Lá haverá pranto e ranger de dentes, quando virdes Abraão, Isaac, Jacob e todos os profetas no Reino de Deus, e vós a serdes postos fora. Hão-de vir do Oriente, do Ocidente, do Norte e do Sul, sentar-se à mesa no Reino de Deus. E há últimos que serão dos primeiros e primeiros que serão dos últimos.»

 

Da Bíblia Sagrada

 

Comentário ao Evangelho

 

 Ter lugar no banquete do Reino de Deus

 

Que grande felicidade é possuir o Reino de Deus! Que grande alegria para ti, coração humano, pobre coração habituado ao sofrimento e esmagado pela dor, quando usufruíres de uma felicidade tal. E contudo, se outra pessoa, alguém que amasses como a ti mesmo, participasse de felicidade idêntica, a tua alegria redobraria, porque te alegrarias tanto por ti como por ele. E se dois ou três, ou muitos mais, possuíssem essa mesma felicidade, sentirias por cada um deles a mesma alegria que sentes por ti próprio, porque amarias cada um deles como a ti mesmo.

 

Assim, pois, nesta plenitude de amor que unirá os numerosos bem-aventurados, em que ninguém amará os outros menos que a si mesmo, cada um usufruirá da felicidade dos outros como da própria. E o coração do homem, incapaz de conter a própria alegria, será imerso no oceano de tão grandes e numerosas beatitudes. Ora, como sabeis, cada um se alegra com a felicidade dos outros na medida em que os ama; assim, nesta beatitude perfeita em que cada um amará a Deus incomparavelmente mais do que a si mesmo e a todos os outros, a felicidade infinita de Deus será para todos uma fonte de incomparável alegria.



publicado por saozinhasimoes às 14:02
link do post | comentar | favorito

Domingo, 27 de Junho de 2010
SEGUE-ME

Evangelho segundo S. Lucas 9,51-62.

 

Como estavam a chegar os dias de ser levado deste mundo, Jesus dirigiu-se resolutamente para Jerusalém e enviou mensageiros à sua frente. Estes puseram-se a caminho e entraram numa povoação de samaritanos, a fim de lhe prepararem hospedagem. Mas não o receberam, porque ia a caminho de Jerusalém. Vendo isto, os discípulos Tiago e João disseram: «Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma?» Mas Ele, voltando-se, repreendeu-os. E foram para outra povoação. Enquanto iam a caminho, disse-lhe alguém: «Hei-de seguir-te para onde quer que fores.» Jesus respondeu-lhe: «As raposas têm tocas e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.» E disse a outro: «Segue-me.» Mas ele respondeu: «Senhor, deixa-me ir primeiro sepultar o meu pai.» Jesus disse-lhe: «Deixa que os mortos sepultem os seus mortos. Quanto a ti, vai anunciar o Reino de Deus.» Disse-lhe ainda outro: «Eu vou seguir-te, Senhor, mas primeiro permite que me despeça da minha família.» Jesus respondeu-lhe: «Quem olha para trás, depois de deitar a mão ao arado, não está apto para o Reino de Deus.»

 

Da Bíblia Sagrada

 

Comentário ao Evangelho do dia feito por:

 

Santa Teresa Benedita da Cruz [Edith Stein] (1891-1942), carmelita, mártir, co-padroeira da Europa

 

«Segue-Me»

 

O Salvador precedeu-nos no caminho da pobreza. Todos os bens do céu e da terra Lhe pertencem. Não representam para Ele nenhum perigo; podia fazer uso deles e manter o Seu coração completamente livre. Mas Ele sabia que é quase impossível a um ser humano possuir bens sem se subordinar a eles e tornar-se seu escravo. Foi por esta razão que Ele abandonou tudo e nos mostrou, com o Seu exemplo, mais ainda do que pelas Suas palavras, que só possui tudo quem não possui nada. O Seu nascimento num estábulo e a Sua fuga para o Egipto mostravam já que o Filho do Homem não teria onde reclinar a cabeça. Quem quiser segui-Lo tem de saber que não temos aqui morada permanente. Quanto mais vivamente tomarmos consciência disso, mais fervorosamente tenderemos para a nossa futura morada, e exultaremos com o pensamento de termos direito de cidadania no Céu.



publicado por saozinhasimoes às 14:27
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 25 de Junho de 2010
O mendigo que confessou ao João Paulo II

 

No programa de televisão da Madre Angélica nos Estados Unidos (EWTN), relataram um episódio pouco conhecido da vida do Papa João Paulo II.

Um sacerdote norte-americano da diocese de Nova York se dispunha a rezar em uma das paróquias de Roma quando, ao entrar, se encontrou com um mendigo. Depois de observá-lo durante um momento, o sacerdote se deu conta de que conhecia aquele homem. Era um companheiro do seminário, ordenado sacerdote no mesmo dia que ele. Agora mendigava pelas ruas.

O padre, depois de identificar-se e cumprimentá-lo, escutou dos lábios do mendigo como tinha perdido sua fé e sua vocação. Ficou profundamente estremecido. No dia seguinte o sacerdote vindo de Nova York tinha a oportunidade de assistir à Missa privada do Papa e poderia cumprimentá-lo no final da celebração, como é de costume. Ao chegar a sua vez sentiu o impulso de ajoelhar-se frente ao Santo Padre e pedir que rezasse por seu antigo companheiro de seminário, e descreveu brevemente a situação ao Papa.

Um dia depois recebeu o convite do Vaticano para cear com o Papa, e que levasse consigo o mendigo da paróquia. O sacerdote voltou à paróquia e comentou ao seu amigo o desejo do Papa. Uma vez convencido o mendigo, o levou ao seu lugar de hospedagem, ofereceu-lhe roupa e a oportunidade de assear-se.

O Pontífice, depois da ceia, indicou ao sacerdote que os deixasse a sós, e pediu ao mendigo que escutasse sua confissão. O homem, impressionado, respondeu-lhe que já não era sacerdote, ao que o Papa respondeu: " uma vez sacerdote, sacerdote para sempre". "Mas estou fora de minhas faculdades de presbítero", insistiu o mendigo. "Eu sou o Bispo de Roma, posso me encarregar disso", disse o Papa.

O homem escutou a confissão do Santo Padre e pediu-lhe que por sua vez escutasse sua própria confissão. Depois dela chorou amargamente. Ao final João Paulo II lhe perguntou em que paróquia tinha estado mendigando, e o designou assistente do pároco da mesma, e encarregado da atenção aos mendigos.

 



publicado por saozinhasimoes às 23:10
link do post | comentar | favorito

Domingo, 3 de Janeiro de 2010
«Viram o menino com Maria sua mãe. Prostrando-se, adoraram-No»

 

Evangelho segundo S. Mateus 2,1-12.

 
Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, chegaram a Jerusalém uns magos vindos do Oriente. E perguntaram: «Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo.» Ao ouvir tal notícia, o rei Herodes perturbou-se e toda a Jerusalém com ele. E, reunindo todos os sumos sacerdotes e escribas do povo, perguntou-lhes onde devia nascer o Messias. Eles responderam: «Em Belém da Judeia, pois assim foi escrito pelo profeta: E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as principais cidades da Judeia; porque de ti vai sair o Príncipe que há-de apascentar o meu povo de Israel.» Então Herodes mandou chamar secretamente os magos e pediu-lhes informações exactas sobre a data em que a estrela lhes tinha aparecido. E, enviando-os a Belém, disse-lhes: «Ide e informai-vos cuidadosamente acerca do menino; e, depois de o encontrardes, vinde comunicar-mo para eu ir também prestar-lhe homenagem.» Depois de ter ouvido o rei, os magos puseram-se a caminho. E a estrela que tinham visto no Oriente ia adiante deles, até que, chegando ao lugar onde estava o menino, parou. Ao ver a estrela, sentiram imensa alegria; e, entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, adoraram-no; e, abrindo os cofres, ofereceram-lhe presentes: ouro, incenso e mirra. Avisados em sonhos para não voltarem junto de Herodes, regressaram ao seu país por outro caminho.
 
Da Bíblia Sagrada
 
Comentário ao Evangelho
 
«Viram o menino com Maria sua mãe. Prostrando-se, adoraram-No»
 
Os magos encontram uma pobre jovem com uma pobre criança coberta de pobres faixas [...] mas, ao entrarem naquela gruta, sentem uma alegria que nunca tinham experimentado. [...] A divina Criança demonstra alegria: sinal da satisfação afectuosa com que os acolhe, como primeiras conquistas da Sua obra redentora. Os santos reis olham em seguida para Maria, que não fala; mantém-se em silêncio, mas o seu rosto reflecte a alegria e respira uma doçura celeste, prova de que lhes presta bom acolhimento e lhes agradece por serem os primeiros a vir reconhecer o seu Filho naquilo que Ele é: o seu Mestre soberano. [...]
 
Criança digna de amor, vejo-Te nessa gruta, deitado na palha, pobre e desprezado; mas a fé ensina-me que Tu és o meu Deus, descido do céu para minha salvação. Reconheço-Te como meu Senhor soberano e meu Salvador; proclamo-Te como tal, mas nada tenho para Te oferecer. Não tenho o ouro do amor, porque amei as coisas deste mundo; amei apenas os meus caprichos em vez de Te amar a Ti, que és infinitamente digno de amor. Não tenho o incenso da oração, pois infelizmente vivi sem pensar em Ti. Não tenho a mirra da mortificação, porque, por não me ter abstido de miseráveis prazeres, tantas vezes contristei a Tua infinita bondade. Que Te oferecerei então? Meu Jesus, ofereço-Te o meu coração, manchado e despojado: aceita-o e transforma-o, uma vez que vieste cá abaixo para lavar com o Teu sangue os nossos corações culpados e transformar-nos assim de pecadores em santos. Dá-me, pois, esse ouro, esse incenso, essa mirra que me faltam. Dá-me o ouro do Teu santo amor; dá-me o incenso, o espírito de oração; dá-me a mirra, o desejo e a força de me mortificar em tudo o que te desagrada. [...]
 
Virgem santa, tu acolheste os piedosos reis magos com uma viva afeição e eles ficaram cheios de felicidade; digna-te também acolher-me e consolar-me, a mim que venho, seguindo o seu exemplo, visitar e oferecer-me ao teu Filho.

 



publicado por saozinhasimoes às 22:24
link do post | comentar | favorito

Sábado, 10 de Fevereiro de 2007
OUVIR E ESCUTAR

 

Quando te peço que me ouças

E te pões a dar-me conselhos

Não estás a fazer o que te pedi.

 

Quando te peço que me ouças

E me dizes que não me devia sentir assim,

Estás a ferir os meus sentimentos.

 

Quando te peço que me ouças

E sentes que tens de agir

Para solucionar os meus problemas

Decepcionas-me… ainda que te pareça estranho.

 

Ouve, é tudo o que te peço!

Não fales, não faças nada!

Escuta-me apenas!

 

Talvez por isso é que falar com Deus

Nos consola tanto…

Porque Deus não fala, não dá conselhos…

 

Deus só escuta,

E deixa que eu encontre a solução

Por mim mesmo.

 

“POR ISSO DEUS NOS DEU DOIS OUVIDOS E UMA BOCA PARA QUE ESCUTEMOS O DOBRO DO QUE FALAMOS”

 

 



publicado por saozinhasimoes às 23:03
link do post | comentar | favorito

MUSICA RELAXANTE
posts recentes

NUMA LINDA MANHÃ...

«Amai os vossos inimigos»

3º Domingo do Advento – A...

O PROFESSOR ATEU

É TEMPO DE AGIR

Ter Lugar No Banquete Do...

SEGUE-ME

O mendigo que confessou a...

«Viram o menino com Maria...

OUVIR E ESCUTAR

arquivos

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


links