SÓ DEUS PODE DAR AMOR, MAS TU PODES ENSINAR A AMAR... SÓ DEUS É O CAMINHO, MAS TU PODES INDICÁ-LO AOS OUTROS... SÓ DEUS É A LUZ, MAS TU PODES FAZÊ-LA BRILHAR... SÓ DEUS SE BASTA A SI MESMO, MAS QUER PRECISAR DE TI E CONTAR CONTIGO...

Sexta-feira, 25 de Junho de 2010
O mendigo que confessou ao João Paulo II

 

No programa de televisão da Madre Angélica nos Estados Unidos (EWTN), relataram um episódio pouco conhecido da vida do Papa João Paulo II.

Um sacerdote norte-americano da diocese de Nova York se dispunha a rezar em uma das paróquias de Roma quando, ao entrar, se encontrou com um mendigo. Depois de observá-lo durante um momento, o sacerdote se deu conta de que conhecia aquele homem. Era um companheiro do seminário, ordenado sacerdote no mesmo dia que ele. Agora mendigava pelas ruas.

O padre, depois de identificar-se e cumprimentá-lo, escutou dos lábios do mendigo como tinha perdido sua fé e sua vocação. Ficou profundamente estremecido. No dia seguinte o sacerdote vindo de Nova York tinha a oportunidade de assistir à Missa privada do Papa e poderia cumprimentá-lo no final da celebração, como é de costume. Ao chegar a sua vez sentiu o impulso de ajoelhar-se frente ao Santo Padre e pedir que rezasse por seu antigo companheiro de seminário, e descreveu brevemente a situação ao Papa.

Um dia depois recebeu o convite do Vaticano para cear com o Papa, e que levasse consigo o mendigo da paróquia. O sacerdote voltou à paróquia e comentou ao seu amigo o desejo do Papa. Uma vez convencido o mendigo, o levou ao seu lugar de hospedagem, ofereceu-lhe roupa e a oportunidade de assear-se.

O Pontífice, depois da ceia, indicou ao sacerdote que os deixasse a sós, e pediu ao mendigo que escutasse sua confissão. O homem, impressionado, respondeu-lhe que já não era sacerdote, ao que o Papa respondeu: " uma vez sacerdote, sacerdote para sempre". "Mas estou fora de minhas faculdades de presbítero", insistiu o mendigo. "Eu sou o Bispo de Roma, posso me encarregar disso", disse o Papa.

O homem escutou a confissão do Santo Padre e pediu-lhe que por sua vez escutasse sua própria confissão. Depois dela chorou amargamente. Ao final João Paulo II lhe perguntou em que paróquia tinha estado mendigando, e o designou assistente do pároco da mesma, e encarregado da atenção aos mendigos.

 



publicado por saozinhasimoes às 23:10
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007
HINO À VIDA

A vida é uma oportunidade: agarra-a.
A vida é beleza: admira-a.
A vida é felicidade: saboreia-a.
A vida é um sonho: realiza-o.
A vida é um desafio: enfrenta-o.
A vida é um dever, cumpre-o.
A vida é um jogo: joga-o.
A vida é preciosa: cuida dela.
A vida é uma riqueza: conserva-a.
A vida é amor: goza-o.
A vida é um mistério: descobre-o.
A vida é promessa: mantém-na.
A vida é dor: supera-a.
A vida é um hino: canta-o.
A vida é uma luta: aceita-a.
A vida é aventura: arrisca-a.
A vida é alegria: merece-a.
A vida é vida: defende-a.

(Madre Teresa de Calcutá)



publicado por saozinhasimoes às 21:12
link do post | comentar | favorito

Sábado, 20 de Janeiro de 2007
CARTA À MINHA MÃE

«Querida mamã:

 

Apesar de tu não teres querido que eu nascesse, não posso deixar de chamar-te “mamã”.

 

Escrevo-te do mundo do além, para te dizer que estava muito feliz quando comecei a viver no teu seio…Eu desejava nascer, conhecer-te…E pensava que um dia seria uma criança muito alegre. Sonhei poder ir à escola e chegar a ser um homem importante…Eu acreditava que, quando se completassem os nove meses de estar juntinho ao teu coração e nascesse, todos lá em casa iriam alegrar-se com a minha chegada.

Mas tu não pensavas como eu – não é verdade, mamã?... – E um dia, quando estava tão feliz a brincar no mais íntimo das tuas sagradas entranhas, senti algo muito estranho, que não saberia como explicar: algo que me fez estremecer. Senti que me tiravam a vida!... Uma faca surpreendeu-me quando eu brincava feliz e quando só desejava nascer para te amar.

 

Naquele momento, não compreendi quem me estava a tirar a vida…

 

Diz-me, mãe: - quem poderia entrar cruelmente dentro de ti e chegar onde, com tanta segurança, eu me encontrava, a fim de matar-me? Quem é que sabia que eu estava lá?... Quem foi mamã?

 

Não sei o que cheguei a pensar… Perdoa-me, mas por um momento a dúvida passou pela minha cabeça e acreditei que só tu o poderias ter feito. Perdoa-me este mau juízo. Como poderia eu imaginar que uma mãe fosse capaz de matar o seu filho quando, em casa, não estorvam nem o gato, nem a televisão?

 

Agora, mamã, sei tudo… Estou aqui no outro mundo e um companheiro que teve a mesma sorte que eu, disse-me que sim, que fostes tu… Disse-me que há mães que matam os filhos antes de nascerem.

Mãe, como fostes capaz de matar-me?... Como foi possível que tivesses feito tal coisa contra mim? Por acaso pensavas comprar uma máquina de lavar ou um aspirador, com os gastos que talvez eu te iria causar? O mau conselho que te deram, escutaste-o antes de ouvir o teu coração.

Como consentiste que me cortassem aos bocados, me atirassem para um balde?

 

Tinha tantas ilusões… tiraste-mas todas. Pensava poder vir a ser um bom engenheiro ou um sacerdote ou um santo… Poderia ter sido um bom filho e ser um bom pai, mas tu negaste-me tudo…

 

Sabes uma coisa, mamã? Ontem estive a falar com Deus e pedi-lhe que por favor me esclarecesse tudo acerca da verdade da minha morte. Ele abraçou-me com muito carinho e disse-me muitas coisas… As mesmas que sempre esperei escutar dos teus lábios, quando esperava que, um dia, me embalassem nos teus braços. Disse-me que só Ele é o Senhor da vida, e que ninguém tem o direito de a tirar. Olha, mamã, já me ia a esquecer de que Ele me disse que terás de Lhe dar contas do que fizestes! Dos meus olhos caíram torrentes de lágrimas e de saudade.

 

Mamã, antes de me despedir de ti, peço-te um favor: Que esta carta que te escrevo, a dês a ler às tuas amigas e futuras mães, para que não cometam o monstruoso crime que tu cometeste.

Envio-te o carinho que desejaria ter-te dado em vida… E peço-te que te arrependas daquilo que fizeste ao teu filho, que nunca nasceu.»

 

Autor desconhecido.

 



publicado por saozinhasimoes às 15:55
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2007
PENSAMENTO

"Todos os dias Deus nos dá um momento em que é possível mudar tudo o que nos deixa infelizes.

O instante mágico é o momento em que um "sim" ou um "não" pode mudar toda a nossa existência."



publicado por saozinhasimoes às 00:00
link do post | comentar | favorito

MUSICA RELAXANTE
TRADUÇÃO
posts recentes

O mendigo que confessou a...

HINO À VIDA

CARTA À MINHA MÃE

PENSAMENTO

arquivos

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

GEOCLOCK

contador gratis
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


links
VIDEO-FAZ-TE AO LARGO
contador

Contador Grátis